Estruturas Mistas: Juliano Geraldo explica como o segmento vem gerando resultados na Construção Civil



Estruturas Mistas: Juliano Geraldo explica como o segmento vem gerando resultados na Construção Civil

Diferente da alvenaria, as estruturas metálicas/mistas apresentam maior produtividade e velocidade construtiva aos projetos, podem reduzir em até 40% o tempo de execução da obra. Em entrevista ao Blog INBEC, o Prof. Juliano Geraldo, mestre em Construção Civil - área de Concentração em Sistemas Construtivos de Edificações – e doutor em Engenharia Civil, conta como essa técnica vem gerando resultados e ganhando força no mercado brasileiro


1. O que são as estruturas mistas?


As estruturas mistas se baseiam na ação conjunta do aço com o concreto. Para essa ação conjunta ocorrer, precisamos de um material que faça esses dois elementos trabalharem como se fosse uma única coisa. Então precisamos dos seguintes elementos: aço, concreto e conectores. A partir disso, teremos as estruturas mistas.


2. Como surgiu a necessidade de criar as estruturas mistas?


Surgiu de forma natural para impedir alguns problemas na Construção Civil. Em incêndios, por exemplo, a estrutura metálica apresenta uma resistência menor. Para protegê-la, é preciso adicionar concreto na estrutura, material que apresenta grande rigidez nessa situação.


Nos Estados Unidos, a técnica é utilizada há algum tempo de forma bastante amadurecida, pois existe um número considerável de incêndios no país, sendo necessário investir nas estruturas mistas para acabar com o contratempo. Por isso, no início, a técnica era vista como um método preventivo contra incêndio, só depois passou a ver vista como algo estrutural.


Já no Brasil, as estruturas mistas são recentes, algo entre 20 anos, mas vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado, principalmente, devido ao impulsionamento dado pelo segmento de estruturas metálicas.


3. Quais os principais mitos do segmento?


O principal mito das estruturas mistas/metálicas é a questão do incêndio. Se visto de forma isolada, o concreto e o aço têm comportamento muito semelhante, não apresentando uma resistência grande. Porém, quando estão juntos, é possível evitar ou diminuir os impactos do incêndio.


4. Qual a diferença entre obras mistas e concreto tradicional?


Uma das principais vantagens das estruturas mistas é a leveza e a esbeltez. Ela é muito leve e flexível, podendo ser 60% mais leve do que uma construção de concreto tradicional.


5. O aço é mais caro do que o concreto?


O construtor “tradicional” pega o preço do peso do aço e compara com o volume de concreto, então, nunca será viável, pois o preço do aço será mais caro. Entretanto, você precisa fazer a análise de viabilidade da obra: qual é a utilidade dela? Em condomínios residências, por exemplo, é normal utilizarmos apenas o concreto, pois não existe uma pressa para que seja concluída imediatamente, pois entra a questão do financiamento do imóvel. Já um shopping ou escola/faculdade, existe uma determinada pressão para que tudo seja concluído o quanto antes, por isso, aplicam o aço em vez do concreto.


6. Edifício misto pode ser sustentável?


Se você compara a uma estrutura de concreto convencional, a estrutura mista/metálica é altamente sustentável do ponto de vista ecológico. Nela, os perfis vêm prontos, então, você precisar só cortar, soldar, pintar e mandar o aço para a obra.


Já o concreto, você precisa comprar formas (geralmente, feitas de madeira) e utilizar muito água para produzir o cimento, que é considerado o segundo material mais consumido do mundo, ficando atrás apenas da água. Se você pensar que não precisa de água para fazer o aço, então, a economia é bastante significativa.


7. E o crescimento do segmento ao longo dos anos?


Nos últimos dez anos, imagino que o setor teve seu financiamento de linha de crédito para fabricante de estruturas mistas/metálicas aumentado de 10 milhões para 200 milhões. Em Goiânia, por exemplo, toda obra de shopping e concessionária substitui o concreto tradicional por aço.


8. O que falta para o segmento crescer ainda mais?


O principal fator é o custo do aço, que, geralmente, é um pouco maior que o do concreto. Entretanto, isso se devido ao fato da pouca penetração do segmento no mercado, juntamente com a cultura do concreto instalada no Brasil, além da falta de profissionais especializados em Estruturas Mistas e Metálicas.



O que esperar do aço?


Para destacar as vantagens e propriedades do aço, o Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA) destacou sete pontos que todo engenheiro/arquiteto deve levar em consideração antes de escolher o modelo construtivo utilizado na obra, seja alvenaria, estrutura metálica ou estrutura mista.


• Flexibilidade:


A estrutura em aço mostra-se especialmente indicada nos casos onde há necessidade de adaptações, ampliações, reformas e mudança de ocupação de edifícios. Além disso, torna mais fácil a passagem de utilidades como água, ar condicionado, eletricidade, esgoto, telefonia, informática, etc.


• Compatibilidade com outros materiais:


O sistema construtivo em aço é perfeitamente compatível com qualquer tipo de material de fechamento, tanto vertical como horizontal, admitindo desde os mais convencionais (tijolos e blocos, lajes moldadas in loco) até componentes pré-fabricados (lajes e painéis de concreto, etc).


• Menor prazo de execução:


A fabricação da estrutura em paralelo com a execução das fundações, a possibilidade de se trabalhar em diversas frentes de serviços simultaneamente, a diminuição de formas e escoramentos e o fato da montagem da estrutura não ser afetada pela ocorrência de chuvas, pode levar a uma redução de até 40% no tempo de execução quando comparado com os processos convencionais.


• Precisão construtiva:


Enquanto nas estruturas de concreto a precisão é medida em centímetros, numa estrutura em aço a unidade empregada é o milímetro. Isso garante uma estrutura perfeitamente aprumada e nivelada, facilitando atividades como o assentamento de esquadrias, instalação de elevadores, bem como redução no custo dos materiais de revestimento.


• Preservação do meio ambiente:


A estrutura em aço é menos agressiva ao meio ambiente pois além de reduzir o consumo de madeira na obra, diminui a emissão de material particulado e poluição sonora geradas pelas serras e outros equipamentos destinados a trabalhar a madeira.


• Durabilidade:


Existem diversas maneiras de proteção efetiva do aço contra corrosão, seja por meio de revestimento metálico ou pintura, ou ambos, que são cada vez mais aplicados diretamente às chapas ou à estrutura durante o processo de fabricação.


• O aço é infinitamente reciclável:


O aço pode ser reciclado em sua totalidade sem perder nenhuma de suas qualidades. Devido a suas propriedades magnéticas, que não são encontradas em nenhum outro material, o aço é facilmente separado de outros materiais, possibilitando elevados índices de reciclagem.


Fonte: Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA)



INBEC - Pós-Graduação com Futuro

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.