Por que Veneza inunda e o que está sendo feito para evitar isso?



Por que Veneza inunda e o que está sendo feito para evitar isso?
(Foto: QUARTZ/Reprodução)
 

Ao longo de novembro de 2019, Veneza foi inundada pelos piores alagamentos da cidade em meio século. Fotografias e vídeos se espalharam pelo mundo mostrando a icônica Praça de São Marcos debaixo d'água, com uma onda de 2 metros de altura, ameaçando gerar danos irreparáveis a locais históricos, como a Basílica de São Marcos.

 

Enquanto a cidade luta contra o aumento dos níveis de água desde o século V, as recentes inundações, no contexto das mudanças climáticas, estimularam o debate sobre como as cidades costeiras são vulneráveis ao aumento do nível do mar e como os danos podem ser mitigados.

 

 

Veneza se acostumou a inundações periódicas, descritas no folclore local como “acqua alta” (águas altas). Embora a cidade possa sofrer inundações quase 60 vezes por ano nos meses de outono e inverno, nas últimas décadas houve um aumento notável na severidade e regularidade dessas inundações. A mencionada Basílica de São Marcos, por exemplo, inundou seis vezes em 1.200 anos. Quatro dessas inundações ocorreram nos últimos 20 anos.


  
(Foto: ArchDaily/Reprodução)
 

Existem vários fatores que tornam Veneza particularmente propensa às inundações. Conforme detalhado pela Reuters, o nível do mar na cidade costeira tem aumentado há décadas como resultado das mudanças climáticas, com um aumento de 20 centímetros estimado no último século.

 

Enquanto o nível da água está subindo, a própria cidade afunda cerca de um milímetro por ano devido ao terreno macio e em movimento no qual é construída. Essa sua frágil base foi comprometida ainda mais nas últimas décadas com a cidade bombeando água subterrânea para uso industrial e bebendo-a até a década de 1970.

 

A localização geográfica de Veneza também contribuiu para as inundações da cidade. Localizadas em uma lagoa pantanosa e rasa à beira do Mar Adriático, as ilhas venezianas foram sujeitas às variações de marés de 50 cm no nível do mar ao longo do ano. Uma série de ilhas-barreira conhecida como "barene" protegem as ilhas internas das inundações desde o século XII, com venezianos bloqueando rios e fortalecendo as ilhas-barreira para aumentar a proteção da cidade.

 

Quando os anos 60 anunciaram a escavação do Canale dei Petroli, permitindo que os petroleiros chegassem ao porto continental perto de Veneza, as proteções seculares foram comprometidas e a lagoa corroída. Como resultado, os ventos de Scirocco, que sopram do Sudeste, podem agora levar água para a lagoa, que combina com a maré alta para aumentar o risco de inundações graves.

 


(Foto: ArchDaily/Reprodução)
 

A mudança de atitude dos venezianos em relação ao ambiente construído também aumentou indiretamente o risco de inundações. Durante séculos, quando novos edifícios foram construídos na cidade, eles foram feitos sobre os pilares e fundações de edifícios antigos, que constantemente elevavam a cidade. Em uma entrevista recente à Rolling Stone, o especialista em restauração de Veneza Pierpaolo Campostrini descreveu como os riscos de inundações eram reduzidos ao construir a cidade mais alta sacrificando palazzos dos séculos XIII e XV.

 

“Eles não eram sentimentais com relação ao passado. Eles não se preocuparam em preservar prédios antigos. Eles apenas construíram novos em cima dos antigos. E a cidade continuou subindo. Mas é claro, não podemos mais fazer isso. Agora, existem restrições culturais. Não queremos perder a bela arquitetura renascentista que temos aqui. Derrubá-la e construir em cima dela não é uma opção. Temos que encontrar outra maneira de salvá-la. ” (Pierpaolo Campostrini, especialista em restauração veneziana falando à revista Rolling Stone).

 

As últimas inundações, que cobriram 85% da cidade, chamaram a atenção para a questão de como Veneza pode se salvar do aumento dos alagamentos. A solução mais aparente está no MOSE – Moisés, em italiano, e acrônimo de Módulo Experimental Eletromecânico, um projeto inacabado de 78 comportas submersas que começou a ser construído em 2003.

 


(Foto: ArchDaily/Reprodução)
 

Ancorado por quatro grandes elementos retráteis nas entradas do Lido, Malamocco e Chioggia, o projeto foi criado para selar toda a lagoa das marés altas em quinze minutos. A ideia de bilhões de euros, no entanto, foi atormentada por excedentes de custos, escândalos de corrupção e atrasos. Mesmo se concluído, foram levantadas questões sobre a eficácia do MOSE, com preocupações de que o uso quase diário das barreiras aumente a poluição e altere os fluxos de esgoto.

 

Embora o projeto MOSE possa se transformar em um exemplo impressionante da humanidade, retendo o poder da natureza através da força bruta, uma abordagem a longo prazo para proteger Veneza de inundações pode ser trabalhar com a natureza, e não contra ela.

 


(Imagem: DW/Reprodução)
 

Houve planos de embasar a cidade inteira sobre uma fundação de concreto ou elevá-la novamente com água que seria bombeada no subsolo.

 

Mas esses planos foram reiteradamente rejeitados ao longo dos anos. Em 2017, a administração da cidade decidiu construir um sistema de pequenas barragens, em parte móveis, com bombas para manter secas pelo menos a Praça de São Marcos e a catedral, com seus delicados mosaicos de piso, durante as cheias anuais normais. Mas esse sistema também não foi concluído até hoje.

 

O crescente número de navios de cruzeiro e o tráfego marítimo como um todo sobrecarregam a cidade de Veneza e as ilhas vizinhas. As ondas corroem os pilares de madeira das casas. Os canais profundos, necessários para navegação, canalizam mais água para a laguna.

 

Além disso, há também o assoreamento natural da laguna. Como os sedimentos, ela fica cada vez mais rasa, fazendo com que, no caso de tempestades, as massas de água que são levadas pelo vento transbordem mais rapidamente. Se o nível de inundação exceder a marca de 110 centímetros, a prefeitura da cidade emite o alerta "laranja". Nas estatísticas da cidade de Veneza, pode-se ver que, atualmente, esse nível de aviso é emitido quatro vezes mais frequentemente do que há 40 anos.

 

A naturalização das ilhas-barreira para diminuir a maré e cessar a atividade industrial que requer a dragagem e o aprofundamento da lagoa já foram sugeridas como formas de restaurar o equilíbrio secular entre a cidade e o ambiente natural. A cidade também pode buscar inspiração em outras regiões, incluindo métodos holandeses pioneiros em gerenciamento de água, priorizando o ethos de "viver com a água".

 


(Foto: ArchDaily/Reprodução)
 

Enquanto as cidades costeiras de todo o mundo enfrentarão as questões iminentes da elevação do nível do mar, a situação precária de Veneza se refere tanto à situação política local quanto às mudanças ambientais globais. O futuro não oferece trégua, com projeções de inundações terríveis sugerindo que em 50 anos a cidade passará por inundações anuais na escala que atualmente está ganhando manchetes em todo o mundo.

 

Portanto, as autoridades da cidade devem ir além de um esquema de barreiras repleto de falhas e tomar medidas urgentes que fundam a mitigação a curto prazo com uma reparação a longo prazo da relação simbiótica entre a cidade e a lagoa, terra e água, urbana e natural.

 

 

Fontes:

- ArchDaily

- DW


INBEC

Pós-Graduação

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.