Confira as vantagens da Laje Steel Deck de concreto armado



Confira as vantagens da Laje Steel Deck de concreto armado

Dentre as diversas lajes de concreto armado projetadas por engenheiros estruturalistas, elencamos lajes maciças, nervuradas, lisas, pré-moldadas, alveolar, protendidas, etc. Dessas, a laje mista steel deck possui diversas vantagens nas obras de estruturas metálicas no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa.

Sua seção é de fôrma de aço colaborante: trapezoidal, retangular, reentrante e onduladas. Dentre as funções, estão a armadura positiva (aço ASTM A 653, grau 40, fy = 280 MPa) e a fôrma autoportante utilizada sem cimbramento, que pode também ser dimensionada com cimbramento, ao propósito estrutural e/ou imposição arquitetônica.  

Outra vantagem é que seu tempo de montagem é exponencialmente reduzido, fazendo com que atividades paralelas à obra avancem, como fechamentos (alvenarias cerâmicas e/ou concreto, pré-moldados, vidros, steel frame, drywall); instalações elétricas e hidrossanitárias aéreas, além da facilidade no translado de oficiais sobre a plataforma de trabalho e montagem da Linha de Vida (NR 35 e NR 18).

A telha-fôrma (steel deck) incorpora-se ao concreto devido às saliências (mossas) que contém, aumentando a resistência ao cisalhamento longitudinal na interface dos materiais: binômio “perfeito” do concreto estrutural e fôrma autoportante (laje mista); ademais, verificam-se imperfeições geométricas transversais imperceptíveis, inexistência do cimbramento e descimbramento e estanqueidade elevada, além de proteção anticorrosiva pela galvanização a quente (proteção catódica), com a possibilidade de uma pintura adicional sobre o zinco (áreas industriais e/ou marinha, conforme taxa de corrosão atmosférica conhecida).

As lajes mistas steel deck devem ser dimensionadas de acordo com os microclimas circunscritos à corrosividade ambiental: C1, C2, C3, C4, C5-I (industrial) e C5-M (marinho). Já nos projetos estruturais metálicos steel deck e hastes metálicas (vigas, pilares, conectores, barras rosqueadas ou lisas etc.), deve-se conhecer os poluentes atmosféricos na troposfera (estruturas aéreas) e litosfera, como:

  • Umidade relativa do ar por processo eletroquímico (principalmente) ou químico (seco).

  • Partículas sólidas por deposição da névoa salina: cloreto de sódio (NaCl), cloreto de magnésio (MgCl2), sulfato de magnésio (MgSO4) etc.; sílica (SiO2); gases poluentes: dióxido de enxofre (SO2), trióxido de enxofre (SO3), dióxido de carbono (CO2), gás sulfídrico (H2S) etc.

  • Temperatura e tempo de permanência do eletrólito no substrato metálico diante das taxas de velocidade corrosivas atmosféricas para dimensionamento à classe de corrosividade ambiental existente.

Apoiam-se sobre vigas metálicas (aço) apoiadas ou contínuas (vigas principais e vigas secundárias), ancoradas por conectores de cisalhamento tipo Stud Bolt (pino de cabeça e arruela cerâmica) para diâmetros (Ø): 12,7 mm ≤ Ø ≤ 22,2 mm, fixados por soldagem de corrente elétrica (eletrofusão) ou por ancoragem com perfil “U” nos canais da laje, através de soldabilidade com eletrodos E70XX, denominando-se de viga mista (depois da cura do concreto).

Desta forma, ratifica-se o trabalho conjunto entre laje mista steel deck e viga de aço, interconectadas, agindo e resistindo à flexão, diante de um “reposicionamento” da linha neutra, situado anteriormente na mesa da haste. Desta forma dá-se a alteração inercial (homogeneização) devido ao concreto endurecido, que projeta-se à fluência da laje mista preliminarmente, reduzindo as imperfeições geométricas transversais e anti deslizamento transversal e/ou longitudinal (interação total do reticulado) da laje mista e interface das mesas, perante os perfis laminados conformados a quente, de seção transversal: I, W, H, HP, PL,C, HPM etc.; ou perfis soldados: CS, VS,CVS e PS.


Nas oficinas, a modelagem da telha-fôrma é feita a frio por máquinas especiais, com seção transversal e espessura. A função do projeto estrutural, diante do tramo e das cargas de serviço é peso próprio do steel deck e concreto; e revestimento e sobrecarga. As lajes mistas steel deck geralmente possuem espessuras entre 100 e 200 mm e perfil transversal (trapezoidal etc.) com espessuras: 0,80 mm; 0,95 mm e 1,25 mm de aço galvanizado a quente, constituído de uma película zincada aderente ao substrato, variando entre 20 e 120 μm (micrômetros).

Sobre a estrutura da laje, são utilizados acessórios para arremates:

  • Arremate de laje, AL (esborro)

  • Suportes de arremates, SD (tampas) ou rodaforro;

  • Complemento de deck, CD.

Além disso, há também o dimensionamento das armaduras adicionais positivas (CA 50 e 60 B) longitudinais nos canais da laje (cálculo confirmará armaduras), das negativas e das de anti retração para o concreto (aço CA 60 B de tela eletrossoldada, seguindo as orientações da NBR 6118).

Em uma obra planejada com seis oficiais, verifica-se a montagem de 1 mil metros quadrados por dia de laje steel deck, gerando velocidade na obra e redução nos custos diretos e indiretos do projeto executivo.


Ademar Tabosa De Oliveira

Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Campina Grande- PB (1983); Especialista em Estruturas e Fundações de Concreto (UNICID/INBEC); Professor de Pós-Graduação da UNIP/INBEC e da Universidade de Tiradentes (UNIT);

Educar, formar e preparar Profissionais dentro das normativas aplicáveis ao ensino superior.